domingo, 19 de dezembro de 2010

Downton Abbey

Fiquei completamente viciado pela série Downton Abbey.
Resumindo muito mal, talvez se possa dizer que é um "Gosford Park" esticado por 7 horas... e eu mal posso esperar pelas próximas 7!
Aposto que o Robert Altman ia adorar isto.



sábado, 11 de dezembro de 2010

Um dia de inverno

Hoje acordei às 10 da manhã com um sol radioso. Estava um calor estranho. Confirmei no termómetro: durante a noite a temparatura tinha subido de -15 para -4



Esta era a vista da janela da cozinha enquanto preparava o pequeno-almoço
Quando saí de casa, o sol já se tinha escondido outra vez. Com a caloraça súbita, o gelo no rio quebrou-se e os patos ficaram com mais sítios para nadar.


Passei pelo mercado de natal ao lado do Blå, um bar conhecido do meu bairro

Grande parte do rio continua gelada, mas agora apareceu alguma àgua à superfície do gelo. A igreja Jacob estava iluminada. É uma igreja usada para actividades culturais.
A eventyrbroa é um ponte com 4 estátuas. Passo por ela todos os dias a caminho do emprego. É giro vê-la de outra perspectiva.

Depois de tirar a foto à ponte, virei-me para trás e tirei esta. Aquelas três enormes janelas verdes que se vêm ao fundo pertencem a um prédio novo espectacular onde gostava de morar. Mas é tão caaaaaaaaro!

às 3 da tarde o sol já se estava a pôr

Esta é uma das ruas do meu bairro. 5 minutos depois já era noite.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

No Avião

O que fazer quando se está aborrecido no avião?
Testar 54 combinações de lentes e flash da câmara Hipstamatic no iPod.

Lisboa

Cada vez gosto mais de não morar em Lisboa porque me faz gostar cada vez mais de Lisboa. 

É bom ver as coisas com olhos de ver, que são os olhos de quem não pertence. 

E é bom ficar um bocadinho triste ao partir, fazer as pazes com os taxistas lisboetas só porque, a caminho do aeroporto toca Madredeus na rádio e o motorista, que até então xingou toda a gente que lhe passou pela frente, de repente sorri e cantarola.


terça-feira, 30 de novembro de 2010

Best of 2010

Mostrei a playlist com a minha música favorita a uma amiga. São perto de 400 canções. Ela pediu-me para fazer um best of de 25. Eu só consegui um de 30.
Aqui ficam, em ordem alfabética e comentadas.

Beach House – 10 Mile Stereo
Este ano estes sairam-se com um album do caraças. Comprei em vinyl, vi os videos todos e fui ao (excelente) concerto. Podia dizer que foi ouvido à exaustão mas ainda não me cansei. Este é daqueles para durar. Do album escolho esta porque é épica.

Blonde Redhead – Not Getting There
A minha primeira impressão deste disco não foi muito favorável. Levou uns dias até conseguir gostar de algumas canções mas quanto mais o ouvia mais se entranhava. Depois calhou ir ao concerto e foi um concertão do caraças. Se calhar o melhor que vi este ano. Agora gosto das canções todas mas escolho esta por causa daquele guincho que ela dá no final.

Brendan Perry – The Devil And The Deep Blue Sea
É o Brendan Perry, porra! É como uma pizza e como o sexo: mesmo que seja mau é bom. Gosto especialmente desta pela electrónica épica e pomposa.

Bomb The Bass – Burn Less Brighter feat. Paul Conboy
Esta dá-me pica e ouvi-a tanta vez enquanto trabalhava que tinha de estar na lista.

Caribou – Leave House
É o album de electronica mais interessante do ano. Vai ser tipo marco na estrada. Não o aturo todo de seguida mas aos bocadinhos é excelente. Esta é a mais trolaró.

Casiokids – Fot I Hose
O Galopim é que me mostrou estes noruegueses. Esta canção parece que existiu desde sempre. É impossível ficar sério a ouvir isto.

DJ Hell – U Can Dance
Isto é tão absurdamente sexy. O Bryan Ferry é um idiota, devia ter feito o album todo assim

Familjen – Det Var Jag
Os Familjen são os Casiokids da Suécia. Se há uma coisa a que se possa chamar o "som pop de 2010", ele anda algures por aqui.

Hot Chip – I Feel Bonnie (House Mix) (Feat. Bonnie 'Prince' Billy)
Bonnie Prince Billy a cantar House. É histórico e é genial.

Hurts – Wonderful Life - Arthur Baker Remix
Podia ser de 1984, mas é intemporal. É como se eu tivesse 16 anos outra vez.

Janelle Monae – Wondaland
É o album do ano e eu amo ela. A disparar em todas as direcções mas genial em todos os momentos. Esta é a minha preferida porque é tolinha. 


Joanna Newsom – In California
O disco é tão longo que ainda não o ouvi todo, mas esta ouvi muitas vezes. Também fui ao concerto e ela é linda.

John Grant – TC and his Honeybear
Foi a minha revelação do ano. Onde é que eu andei estes anos todos sem ter ouvido os Czars? A voz dele é linda e eu quero que ele me faça um filho. Fui ao concerto, comprei o vinyl e ele assinou-o. Só não o abraçei porque depois alguém tinha de me arrancar de lá.

Josh Rouse – Don't Act Tough
Esta também parece que existiu desde sempre. Clássico instantâneo.

Kasper Bjørke – Young again
Perigosa porque se cola à cabeça. Andei a cantar isto durante dias.

Lady Gaga – Telephone - Doctor Rosen Rosen Main Remix
2010 tem de incluir a Lady Gaga. Adoro o teledisco disto, é o mais parvo de sempre. Esta é a melhor versão da coisa.


Nils Bech – Look Back
Este ganha o prémio de paneleirice do ano. Adoro a pronuncia manhosa, o snobismo do video e a letra: "Hello it's me from last night. How are you I'm feeling fine".

Ra Ra Riot – Boy (RAC Remix)
Hei! Pulinhos! (e está tudo dito)

The Radio Dept. – Never Follow Suit
Gosto do eco disto. E é tão casual e trolaró. A canção do Verão.


Salem Al Fakir – Keep On Walking
É uma foleirada. Adoro. Os suecos são uns idiotas, isto ficou em segundo lugar no festival da canção local. Já ninguém se lembra do que ganhou.

Shearwater – Castaways
Mais um grande album de uma grande banda. Fiquei cheio de pena por não ter ido ao concerto mas começava à meia-noite e a essas horas eu gosto mais de nanar. Escolho esta porque é épica.

Sia – Clap Your Hands - Radio Mix Edit
Uma canção com a letra "Shag me out of my misery" tem de ficar nas melhores do ano. E é sobre bater palminhas! Como é que se pode resistir?

The Besnard Lakes – Albatross
O melhor momento shoegaze do ano e muito gosto eu de olhar para os sapatos.

The Dead Weather – Blue Blood Blues
Coolest of the cool.

The Innocence Mission – God Is Love
Mais um grande disco destes gajos. Isto é tão bonito. Clássico instantâneo.

The National – Bloodbuzz Ohio
Esta é só antecipação. é estar pronto para desatar aos pulos a qualquer momento. Foi pena o concerto deles na ópera de Oslo não ter sido grande coisa.

Thomas Dybdahl – Blackwater
É difícil escolher só uma canção deste disco porque ouço-o sempre do princípio ao fim. Escolho a primeira.
É um dos melhores discos deste ano. Uma escultura de som dividida em canções.

Twin Shadow – Castles In The Snow
Este gajo apareceu de lado nenhum com um disco que é todo bom e parece que foi encontrado num sotão, esquecido desde os anos 80. Escolho esta canção porque gosto do teledisco.

White Hinterland – Icarus
Uma menina a cantar como se fosse um passarinho: uh-hu! Video com rapazinhos na piscina. Que mais se pode pedir?

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Que venha a purga!

É raro eu dar-me ao trabalho de expressar opiniões aqui no blogue. Não tanto por não as ter, mais por achar que não vale a pena partilhá-las. Mas hoje, enquanto lia esta entrevista ao responsável editorial da Porto Editora, Vasco Teixeira, mais uma vez me senti provocado pelo actual modelo de negócio das editoras livreiras.


Não foi nada pessoal. Embora a entrevista mostre uma visão clara e realista sobre o panorama actual do negócio da edição portuguesa, para mim é apenas mais uma de centenas de entrevistas a pessoas (de todo o mundo) que ainda não perceberam bem como o ebook lhes vai mudar a vida.


Tudo reside na questão de ainda se pensar num ficheiro digital como um equivalente a um objecto físico. Porque insistem nisso? A realidade é muito simples: Não se pode vender um ficheiro como se vende um objecto porque a sua duplicação pode ser gratuita e imediata. Quando toda a gente tem acesso a essa tecnologia de duplicação e a duplicação não implica custos ao autor do original, não se pode cobrar pela cópia. É por isso que estar a pedir que governos façam legislação sobre pirataria acaba por ser uma imensa perda de tempo.


Mas o que as industrias de musica e de cinema estão finalmente a aprender é que as pessoas não querem comprar UM disco ou UM filme. Querem acesso a TODOS os discos e filmes, em qualquer sítio e em qualquer momento. Isso actualmente já é possível graças a serviços de streaming como por exemplo o Spotify (para música) ou o Mubi ou Voddler (para filmes).


É um pedido razoável da parte dos consumidores: Se posso ter acesso a tudo, porque é que não tenho? É a mais básica regra de oferta e procura e enquanto as industrias culturais não derem resposta a isto terão de sempre de lutar (em vão) contra a pirataria.


Acesso é a palavra chave. No mundo digital, acesso é o mesmo que posse. O que estas indústrias que não produzem um produto físico têm de aprender é que não podem vender posse... mas podem vender acesso!


Como demonstram muitos casos, os consumidores não querem pagar por um produto que pode ser copiado gratuitamente mas estão dispostos a pagar por um serviço de qualidade que lhes disponibilize o produto que querem, quando querem. 10 minutos passados a explorar o Mubi.com (ou, melhor ainda, mubi na playstation3) chegam para perceber que é muito mais vantajoso pagar uma taxa mensal a um serviço destes do que perder precioso tempo à procura e a baixar filmes piratas.


Então porque é que as editoras ainda querem pensar em vender livros digitais à unidade? A resposta cínica: porque apesar da pirataria ainda vão ganhar muito dinheiro durante alguns anos. A resposta talvez mais realista: porque não sabem qual é o cerne do seu negócio - simplesmente não sabem o que estão a vender.


Neste momento, o maior vendedor de ebooks é a Amazon. Nesta loja, o preço de um ebook é apenas ligeiramente mais barato do que o de um livro em edição de bolso. Porquê?! Os ficheiros nem sequer estão disponíveis para que quem os comprou lhes dar o uso que quiser, ficam trancados dentro do kindle (ou kindle reader)! Ou seja, não se está a comprar nada mais do que um serviço.


Na prática, enquanto consumidor, eu não vejo diferença nenhuma no meu iPod entre o programita Spotify – que me dá acesso a (quase) toda a música do mundo por uma pequena taxa mensal – e o programita Kindle que só me está a dar acesso a 4 livros que paguei a um preço igual ao da taxa mensal do Spotify.


Enfim...


Voltando à questão de as editoras não saberem qual é o seu negócio: Entre 2003 e 2008 trabalhei e contactei com muitas editoras portuguesas, enquanto autor e enquanto designer gráfico. O que sempre me pareceu estranho foi muita gente neste negócio não saber qual é o seu papel, a sua função.


Para começar, senti que os editores portugueses se desmarcavam da sua responsabilidade de garantir a qualidade do texto produzido pelos autores. Senti que talvez 80% das vezes a revisão de texto se limitava apenas a uma revisão ortográfica. Aconteceu com muitos livros que paginei e aconteceu com o romance que escrevi. Atentem nesta resposta da entrevista que referi no início:

 "Imagine um livro de um autor português conhecido: a editora que o publica pouco ou nada faz. O autor escreve o livro e envia-o por email, e provavelmente sugere a imagem para a capa. A editora só tem de contratar um paginador. Se for ficção estrangeira, o editor tem uma intervenção importante na escolha do tradutor e no editing, e desempenha um papel muito relevante, que é o de fazer com que as obras cheguem ao público. Mas acrescenta pouco aos livros e as competências técnicas que se lhe exigem são restritas. Editar um livro escolar custa talvez 20 vezes mais, requer mais tempo e envolve muito mais pessoas. Para um editor escolar, publicar literatura ou ensaio é fácil. O difícil é gerir bem a linha editorial."


Depois, a questão da promoção e distribuição. Começa por muitas editoras não saberem o que editam. Há certamente individuos numa editora que conhecem o conteúdo dos livros editados, mas a partir do momento em que sai impresso da gráfica, o livro cai nas mãos de um monstro sem cara chamado "Distribuição", para o qual todos os livros são como salsichas, com a diferença que umas vendem mais do que outras, vá-se lá saber porque... e ninguém vai lá saber porquê.


A grande revolução que virá do livro digital é precisamente o consumidor deixar de precisar desta distribuição de salsicha e passar a exigir o acesso directo à fábrica. Quando os editores perceberem isto, então sim, estarão em condições de fazer negócio e justificar o seu papel de intermediários entre autores e leitores.


Eu acredito muito no livro em suporte digital. Veja-se como só aconteceram coisas boas à musica nos últimos 15/20 anos por causa disso. Acredito que o mesmo acontecerá com a Literatura.


Quanto aos editores e ao negócio do livro, prevejo uma purga. Já fazia falta. 

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Lisenberg

Lisenberg é um parque de diversões em Gotemburgo, Suécia. Em Novembro e Dezembro tem o maior mercado de Natal da Escandinávia.

O tempo estava feio e as fotos não estavam a sair bem. Então usei o meu iPod com a câmara Hipstamatic para conseguir algo mais dramático.





quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Moddi


Não só a música é linda, mas isto é Oslo no seu melhor: a praia de Bygdøy (em Maio, calculo eu).


segunda-feira, 25 de outubro de 2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Bruxelas

 4 dias em Bruxelas para passear.
Soube a pouco.
Arquitectura, Banda-Desenhada e Chocolate.
Que mais se pode pedir? Mais tempo.